10 agosto 2014

that's the thing about pain: it demands to be felt.


Sabe, eu assisto muitos seriados. Um que tem me chamado bastante atenção é The Leftovers, uma serie que retrata a vida dos sobreviventes logo após um evento que sumiu com 2% da população mundial sem explicação aparente.

Desde o começo, percebi que seria uma serie que me faria pensar sobre muitas coisas e uma delas que me pegou hoje foi a dor. Bom, vou falar de duas coisas, na verdade. Hoje é dia dos pais e meu papai já não está mais comigo desde 2003. Parece que foi ontem mas ele faleceu já tem 11 anos. É mais tempo do qual ele passou comigo em vida. Mas o que eu quero retratar aqui hoje foi algo que me chamou atenção na serie sobre essa dor de perder alguém, seja por falecimento, abandono ou qualquer tipo de perda que seja.

"E você acredita que sempre vai sentir essa dor. E se ela começa a amenizar você a resgata novamente, não é?" - The Leftovers, Episode 6.

Isso me chamou atenção pelo fato de eu sentir a dor dessa perda todos os dias e, se ela começa a amenizar, eu me martirizo por não sentir. No meu interior, sinto como se fosse uma falta de respeito. Sei que é muito difícil seguir em frente após uma perda, seja ela qual for, mas porque será que não conseguimos deixar de sentir essa dor sem que nos sintamos culpados? Não levem a mal, eu sempre vou sentir falta do meu pai mas eu preciso sentir dor pra sentir falta?

Sempre pensei em sentimento como algo passageiro. Exceto amor. Acredito que amor, quando é verdadeiro, dura a vida inteira. Mas a dor, a alegria, a tristeza... Tudo isso, acho que sempre é de momento.

Eu vou contar um segredo bem sujo pra vocês. Falem o que quiser, eu sei que isso é errado mas não consigo evitar. Quando eu sinto que a dor não vem, eu faço de tudo pra senti-la de novo. Eu ouço músicas tristes, vejo filmes e series que me façam chorar e fico me martirizando quando não consigo senti-la. Queria poder entender qual é a dificuldade em seguir em frente. Então é por isso que estou aqui hoje.

Eu não vou mais fazer isso. Eu quero só deixar claro que não é porque não dói, não quer dizer que eu sinta falta. Eu sempre vou sentir falta do meu papai mas não vou mais me permitir sentir uma dor que não é necessária e não me deixa viver. A partir deste momento, eu estou me libertando.

Eu vou sempre te amar, papai, onde estiver. Vou sempre ser sua princesinha.

19 julho 2014

para ouvir.

Olá! :)

Mais uma vez, antes de começar meu falatório, queria enfatizar que estou realmente muito feliz de estar de volta. Fazia tempo em que eu não tinha aquele sentimento de quando via algo legal pensava logo: "nossa, preciso compartilhar isso no blog!". E, convenhamos, é um sentimento muito bom.

Saudades à parte, vamos falar de música hoje. Atire a primeira pedra quem não tem uma playlist de fundo para fazer alguma coisa; seja pra ler, tomar banho, trabalhar, dormir... Bom, música é realmente o que nos move. No meu caso, vou dormir e acordo com música. Sempre que vou à um show, sempre tenho o mesmo pensamento: é isso que une as pessoas. Poucas coisas tem um sentimento tão profundo que nos faz juntar vozes e ficar, pelo menos por aquele momento, em incrível paz. Não há brigas nem chateações, só tem a música.

Pra quem acompanhava o blog antes, sabe que eu tinha uma coluna de playlists que eu postava toda semana mas acabei ficando saturada daquilo. Não me entendam mal, era sempre bom trazer uma playlist nova mas toda semana? Parecia que eu tava só repetindo as mesmas músicas over and over again. Uma coisa que eu queria deixar claro por aqui também é que, pelo menos por enquanto, não vou fazer colunas. Nada de postar um tipo de coisa toda semana ou a cada quinze dias, isso me deixa saturada e sem criatividade já que eu acabo fazendo por ter prazo. Vai parecer trabalho pra mim então prefiro ir postando de acordo com meu humor. De qualquer forma, eu espero que gostem :)

Ah, vou deixar o link para download abaixo da playlist pra quem quiser, achei a ideia legal :)






Para fazer o download, clique aqui.

Até mais! ♥

16 julho 2014

return.

I'm coming back hooooooome ♫

E ai, rapeize! Como estamos? haha Ai, gente, nem acredito que to fazendo um post de novo. Nem lembro quando foi que eu parei de postar e dei a louca aqui no blog. Mas eu senti saudade, como era de se esperar. Só que pra minha felicidade, o tempo que fiquei de fora só me fez bem. Eu tenho uma visão bastante diferenciada em vários aspectos agora e tenho planos para manter esse meu espacinho por muito e muito tempo. Vou confessar uma coisa pra vocês, eu tava forçando demais. Tava fazendo posts que eu nem entendia direito mais e que realmente não era "eu", sabe? Bom, mas isso acabou.

Além de ter muitas novidades e ter mudado completamente a visão do blog do que era antes, estou muito mais inspirada e feliz por ter voltado. Volto a dizer que não quero postar por obrigação mas também não quero vir uma vez ou outra. Mas tem o seguinte: esse blog agora é realmente pessoal. Vou postar quando eu tiver vontade e sobre coisas que eu amo e meu dia a dia. Muita gente ainda procura blogs pra dicas e coisas do tipo (eu sei porque eu faço isso) mas quero confessar outra coisa: eu sou péssima pra dar dicas. Já dizia minha linda mamãe que eu "esfriei". Não sou tão legal quanto antes e tenho menos paciência também. Mas não entendam mal; ainda sou eu.

O que estou querendo dizer é que não vou seguir blogs de volta pra fazer favor ou nesse tal de "to seguindo, me segue". O que mais me cansa no blog é isso: muita gente querendo ficar famoso ao invés de usar o blog pro que ele realmente foi criado. Gente, eu sou do começo. Eu sou leitora antes de ser blogueira. Eu tive blog durante toda a minha adolescência e o intuito sempre foi ter um espaço pra me expressar e não pra ficar famosinha e ganhar seguidores. Se a gente segue algo é porque gosta, certo? Pensa comigo: de que adianta eu te seguir se não vou prestar atenção nas suas postagens nem comentar algo interessante? De novo, leiam com atenção! Em nenhum momento disse que o blog de ninguém é ruim, só digo que cada um tem um gosto. Às vezes o seu tipo de postagem não me agrada assim como o meu não agrada o de alguém. Isso é normal!

Vou finalizar porque sei que to começando a falar demais e daqui a pouco vai ter gente pondo palavras na minha boca. O que eu quero dizer é: TO DE VOLTAAAAAAA \o/

Só pra constar: EU SOU RESPONSÁVEL PELO QUE EU FALO, NÃO PELO QUE VOCÊ ENTENDE.

Não me levem à mal. Talvez eu esteja de TPM, vai saber? :)

OBS.: Alguns posts antigos eu não tive coragem de apagar então resolvi postá-los novamente pra quem conhecia o blog antes poder rever e quem não conhecia saber como era. Espero que gostem!